Histórico | Informações Técnicas | Combinações de Bandas | Amostras | 

Histórico

O grande diferencial do RapidEye é não ser apenas um satélite mas uma constelação de 5 satélites idênticos. Numa ação pioneira, a empresa RapidEye lançou em 29 de agosto de 2008 5 satélites num único foguete (link pro vídeo de lançamento). Os satélites foram construídos pela empresa britânica Surrey Satellite Technology Ltd. (SSTL) e seguiu o moderno conceito de satélites leves, ágeis e robustos. Isto permite economia de energia para manutenção dos satélites no espaço, acarretando no aumento da vida útil dos mesmos. Cada satélite pesa apenas 150kg, o que foi fundamental para o lançamento conjunto de toda a constelação.

Os satélites receberam nomes gregos. Os dois primeiros estão associados ao próprio nome da missão e da empresa. Os demais com a atividade fim deles: olhar a Terra a partir de órbitas no espaço:

Sensor Nomenclatura
RapidEye-1 Tachys (Rápido)
RapidEye-2 Mati (Olho)
RapidEye-3 Choma (Terra)
RapidEye-4 Choros (Espaço)
RapidEye-5 Trochia (Órbita)

Os nomes foram definidos por meio de um concurso. O vencedor foi um empregado da RapidEye.

Como constelação, o sistema RapidEye garante uma alta disponibilidade de dados, sendo a única solução para coberturas anuais de todo o território brasileiro. A constelação ocupa uma mesma órbita com os 5 satélites sincronizados e igualmente espaçados. Uma de suas principais características é a alta capacidade de revisita sobre um mesmo ponto de interesse. Com até 4 milhões de Km² coletados por dia, e com revisita diária (off-nadir) ou de 5,5 dias (nadir), é possível realizar várias tentativas de coleta, reduzindo significativamente a probabilidade de não dispor de imagens para uma determinada área. É possível recobrir qualquer Estado a cada 6 dias. A base de dados de imagens RapidEye sobre o Brasil cresce a uma taxa superior a 60.000.000km2/ano. É mais que um Brasil a cada dois meses.

Figura 1. Disposição da constelação de satélites RapidEye

Figura 1. Disposição da constelação de satélites RapidEye

RapidEye: primeira constelação de satélites idênticos operando de forma sincronizada.

RapidEye: a maior disponibilidade de dados do mercado.

Características da missão:

Características da Missão Características do Sensor e da Imagem
Número de satélites: 5
Lançamento dos satélites: 29 de agosto de 2008
Base de lançamento: Baikonur Cosmodrome (Kazakistão)
Veículo lançador: DNEPR – 1
Vida útil prevista para os satélites: 7 anos
Peso: 150kg
Taxa de transmissão de dados (downlink): 80Mbps
Largura da faixa de imageamento (swath): 77km
Giro em relação à órbita (rolamento – roll): 25°
Precisão de apontamento: <1° nos 3 eixos (rolamento, arfagem e guinada)
Precisão do posicionamento orbital:  
Capacidade de gravação a bordo: 1.500km de dados (115.500km2) de imagem por órbita. 30GB (6GB por satélite)
Capacidade de aquisição de dados da constelação: 4.000.000km2 por dia
Revisita nadir: 5,5 dias
Revisita off-nadir: diária
Carga útil: sensor multiespectral linear pushbroom (varredura eletrônica)

 

Características da Órbita
Altitude orbital média: 634km
Inclinação da órbita: 97,8°
Período orbital: 96,7 minutos
Número de órbitas por dia: 14,9
Tipo da órbita:

LEO (Low Earth Orbit) – baixa altitude
hélio síncrona
quase polar

Hora de cruzamento com o Equador (órbita descendente): 11:00h ± 00:15h

Os satélites RapidEye carregam um sensor multiespectral do tipo pushbroom (varredura eletrônica). O sensor é denominado REIS (RapidEye Earth Imaging System). Ele é composto por uma câmera Jena-Optronik, chamada Jena Spaceborne Scanner JSS 56. Esta câmera atua em 5 faixas do espectro eletromagnético, do visível ao infravermelho próximo. É a primeira câmera a apresentar uma banda espectral na faixa do red-edge. Sendo assim, o RapidEye é o primeiro satélite comercial com esta banda espectral. Ela foi desenvolvida para discriminação da vegetação, situada numa faixa do espectro eletromagnético que tem alta correlação com a fluorescência da clorofila. Ela pode ser utilizada para discriminar tipos diferentes de vegetação, avaliar a fitossanidade e a ocorrência de processos de eutrofização em reservatórios. Além disto, o sensor REIS é o de maior resolução radiométrica (12 bits ou 4.096 níveis de cinza) entre os satélites de sensoriamento remoto.

Características do sensor REIS
Tipo de sensor: push-broom (varredura eletrônica)
Número de detectores: 12.288
Tamanho do detector: 6,5µm
Distância focal: 636mm
Campo de visada (FOV – Field Of View): 6,75°
Largura da faixa imageada (swath): 77km
IFOV – Instantaneous Field OF View: 10,3 µrad
Resolução espacial no nadir: 6,5m (média-alta)
Resolução radiométrica: 12 bits ou 4.096 níveis de cinza
Resolução temporal: 5,5 dias (constelação)
Resolução espectral:

RapidEye Bandas

banda 1 (azul): 440 – 510 nm
banda 2 (verde): 520 – 590 nm
banda 3 (vermelho): 630 – 685 nm
banda 4 (red-edge): 690 – 730 nm
banda 5 (infravermelho próximo): 760 – 850 nm

MTF (Modulation Transfer Function) ≥ 0.25 na direção da órbita e ≥ 0.11 na direção transversal da órbita

 

  

R

G

B

R

G

B

R

G

 B 

R

G

B

R

G

B

R

G

B

3 2 1

3

1

2

2 1 3

2 3 1

1 2 3

1 3 2

4 2 1

4

1

2

2 1 4

2 4 1

1 2 4

1 4 2

5 2 1

5

1

2

2 1 5

2 5 1

1 2 5

1 5 2

4 3 1

4

1

3

3 1 4

3 4 1

1 3 4

1 4 3

5 3 1

5

1

3

3 1 5

3 5 1

1 3 5

1 5 3

5 4 1

5

1

4

4 1 5

4 5 1

1 4 5

1 5 4

4 3 2

4

2

3

3 2 4

3 4 2

2 3 4

2 4 3

5 3 2

5

2

3

3 2 5

3 5 2

2 3 5

2 5 3

5 4 2

5

2

4

4 2 5

4 5 2

2 4 5

2 5 4

5 4 3

5

3

4

4 3 5

4 5 3

3 4 5

3 5 4