Processamento Digital de Imagens de Satélites: Um Breve Histórico

Atualmente, o formato de imagem mais comum é o digital. Aquisição, distribuição e visualização costumam ser feitas em meio digital. As câmeras fotográficas são digitais, e os celulares configuram hoje o dispositivo mais usado para fotografar. As redes sociais são os meios mais usados para visualização de fotografias, e fazem com que a manipulação de imagens digitais seja algo corriqueiro no dia a dia da população.

68_img01

Além disso, todos que têm acesso a computador, têm também acesso a aplicativos de processamento digital de imagens, mesmo que este seja extremamente simples. Ao adquirir um escâner, uma web camera, uma câmera fotográfica digital, ou até mesmo uma impressora, o usuário receberá junto um software para processar imagens, de forma, por exemplo, a realçar suas fotos ou melhorar a impressão.

Até em celular as pessoas recorrem a estes aplicativos. Recentemente tivemos o expressivo caso da compra do Instagram pelo Facebook pela quantia de 1 bilhão de dólares.

Ou seja, o acesso a imagens digitais está cada vez mais facilitado, pois os equipamentos citados anteriormente estão presentes não apenas em corporações, mas em pequenas empresas e escritórios, e até nas residências. É possível utilizar um escâner para digitalizar uma imagem analógica, ou uma câmera digital para obter diretamente um produto digital.

Não é raro encontrar crianças que digitalizam as fotos da família, restauram fotos amareladas pelo tempo, realçam fotos tiradas com pouca luz e criam belos álbuns digitais. Assim, desde cedo vão se familiarizando, ainda que sem conhecer os conceitos, com diversas técnicas de processamento digital de imagens.

É óbvio, que quando nos reportamos ao processamento digital de imagens de satélite, as técnicas se ampliam e se aprofundam, mas o princípio permanece o mesmo.

Nos próximos dias apresentarei um breve histórico relativo a minha experiência com processamento digital de imagens. Desde meu primeiro curso de programação até os dia de hoje. São quase 40 anos com muitos fatos curiosos.

 

Comments

Post a comment

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Email Us

Your message was successfully sent. Thank You!