Abaixo o Power Point

A edição do dia 5 de julho do jornal O Globo traz uma matéria sobre um partido político que propõe o fim das apresentações em Power Point e afins. O partido suíço APPP (Anti-PowerPoint-Party) estima que o prejuízo global causado por esse tipo de programa alcance a astronômica cifra anual de 350 bilhões de euros. Uau!

O presidente do partido, o engenheiro de software Matthias Poehm, que já publicou o livro “The PowerPoint Fallacy” (A Falácia do PowerPoint), propõe um “retrocesso tecnológico”: a volta das apresentações em flipchart ou até mesmo em quadro-negro. Segundo Poehm, esses antiquados recursos rendem palestras mais criativas e de três a cinco vezes mais eficazes. Não vou entrar no mérito das apresentações que recebemos diariamente como spams. Mas vou pegar um gancho para outro problema recorrente em nosso meio.

Refiro-me à pessoa que recebe um convite, ou tem aprovado um trabalho, para uma apresentação, por exemplo, de 15 minutos e chega com um material de 30, 40 e até 50 slides. É óbvio que o tempo não será respeitado. É mais do que certo que ficará aquela saia justa entre moderador e apresentador para finalizar a apresentação. Se a pessoa tem um tempo T para fazer uma apresentação e acha pouco, recusa o convite, não submete o trabalho. Se aceita, deve respeitar todas as outras pessoas, apresentadoras ou assistentes, e ficar dentro do tempo estabelecido.

Uma vez que o apresentador não será interrompido, os organizadores deveriam exigir um executável, com as transições pré-definidas e com o tempo total dentro do estabelecido. Como efeitos colaterais, as apresentações têm que estar prontas com antecedência e treinadas. Se ainda assim alguém quiser fazer uma apresentação de 50 slides em 15 minutos saberá que a cada 18 segundos aparecerá um novo slide na tela.

Volto a destacar o Encontro de Usuários da Hexagon em que centenas de trabalhos foram apresentados e todos respeitaram os horários de início e fim, de forma bastante civilizada. Hoje já existem grandes empresas e executivos que limitam apresentações de 3 a 5 slides com duração de 3 a 5 minutos (aliás 1 minuto por slide é uma boa média).

Para finalizar, o partido pretende atingir mais de 33 mil membros e ser o quarto maior partido político da Suíça. No site há uma seção chamada “Horror slide of the month” (http://www.anti-powerpoint-party.com/the-cause/horror-slide-of-the-month/) com slides considerados exemplos do que há de pior em apresentação PowerPoint, como o abaixo:

“A structured attempt to detect the potential of computer aided arts”

Assista o video com Matthias Poehm, presidente do partido Anti-PowerPoint-Party.

Comments

Post a comment

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Email Us

Your message was successfully sent. Thank You!